1. Introdução 

O trabalho faz parte do cotidiano humano, e este é uma realidade de todo ser humano capaz de exercê-lo, sendo que, em condições de normalidade o ser humano trabalha a maior parte da sua vida.

O trabalho está diretamente relacionado com o capital, pois o homem vende a sua força de trabalho, para poder se manter e  a  sua família, para poder ofertar aos membros de sua família, uma educação, saúde , padrões mínimos de qualidade de vida.

O trabalho é caracterizado, como uma atividade realizada, por seres vivos ( não só a espécie humana ), que tem como objetivo modificar a natureza e transformá-la para ,melhor satisfazer suas necessidades.

BRAVERMAN (1980, p. 50 ), diz que “ o trabalho humano é consciente e proposital”. Tendo o trabalho humano essas duas características afirmadas por BRAVERMAN, entende-se que o homem ao trabalhar, executa uma atividade , que previamente havia planejado  em sua mente, logo ao desenvolvê-lo materialmente, pode modificar o seu modo de vida , sendo capaz de resolver os diversos problemas que surgem , no desenvolvimento do trabalho, modificando assim a sua concepção inicial.

O trabalho é fundamentalmente importante , para o crescimento da consciência humana , pois como afirma MARX ( 1989, p. 52 ) “ o homem atuando sobre a natureza externa , ao mesmo temo que a modifica, ele também modifica a sua própria natureza”. Em síntese, o homem ao trabalhar, sofre uma transformação no seu modo de pensar, modificando-se.

Vale salientar que o trabalho humano, que é realizado , por um indivíduo que detém  a posse do conhecimento de todo processo de produção, do oficio que está ligado , ou seja o planejamento e a força de trabalho , pertence, a quem desempenha atividades produtivas, além do que o trabalho, ao mesmo tempo que é algo de criação, também é de alienação, pois mesmo no capitalismo, onde o trabalho é estranho ao trabalhador, uma vez que este não decide o que , como e quando produzir, acabando o trabalho assim por criar condições para uma vida livre de opressão.

2. Trabalho: Aspectos gerais

 

O trabalho, deve ser entendido como uma a atividade, na qual o ser humano utiliza sua energia física, psíquica de modo a satisfazer suas necessidades ou   para atingir um determinado fim, sendo elemento essencial da relação dialética entre homem  e a  natureza, entre o saber  e o fazer, entre e teoria e a prática.

O termo trabalho apareceu pela primeira vez   na idade média, no século XIV, e o seu significado estava associado a alguma forma de sofrimento. O termo trabalho permite compreender  a natureza humana, assim como as características da sociedade. Os diferentes  trabalhos executados pelo ser humano, podem e devem ser analisados , tornando as duas condições deste, que é a condição objetiva e subjetiva do trabalho.

Na condição objetiva , o trabalho é concretizado, de acordo com o modo que este se organiza e como está dividido a sua realização, qual a sua complexidade , a forma como é supervisionado, como a sua rotina se apresenta, as quais pressões ele está submetido, quais as suas consequências e castigos. Já no aspecto subjuntivo,estão presentes a satisfação  pessoal na sua realização , se o mesmo é efetuado prazeirosamente ou não, e o compromisso que   o ser humano, tem com a realização do trabalho.

Enfim as condições objetivas e subjetivas do trabalho, exercem grande influência e nos seres humanos como indivíduos e também na maneira como estão organizados em sociedade. Ainda como relação a condição subjetiva do trabalho, este para o ser humano, tem com significado especial , o mesmo pode ser visto , como um meio para conseguir o dinheiro necessário para a sobrevivência, ou pode chegar a ser um meio para a realização pessoal, ou até mesmo ambos.

Temos o trabalho, como uma  ação que transforma a realidade do ser social, e também como uma “condição  de transcendência e como liberdade”, como afirma ARANHA E MARTINS ( 2003, p. 24 ), porém , que seja atingida tal condição de liberdade, não é possível depender apenas da vontade de cada um.

O trabalho , por vezes , pode alienar e até mesmo, vir a desumanizar , principalmente nas sociedades, que privilegiam o lucro antes dos valores humanos, aí em vez de libertar , acaba-se escravizando.

O trabalho está diretamente associado ao capitalismo. O capitalismo é o sistema econômico predominante no mundo atual, tendo seu início simbólico com a Revolução industrial na Inglaterra no século XVIII, com ele foram introduzidas novas formas de relacionamento entre homens, além disso privilegiando a propriedade privada dos meios de produção nas mãos de um agente social, que estabeleceu-se a figura do capitalista, aquele que emprega trabalhadores livres, e esse trabalhadores por sua vez, passaram a vender a sua força de trabalho no mercado.

O capitalismo como sistema econômico, é dinâmico , e desestrutura diversas instituições sociais, que poderiam barrar o seu desenvolvimento. Com a filosofia de que os homens devem ser livres , para vender a sua força de trabalho e escolher o seu próprio destino , tornou-se irresistível , destruindo formas tradicionais de exploração da mão de obra e modificando a estrutura da desigualdade social  no mundo.

Entretanto o capitalismo, é um sistema , que persiste em um alto grau de exploração do ser humano, que infelizmente , muitas vezes , não recebe um valor justo ,pelo que representa a sua força de trabalho, em linhas gerais é um sistema , em que os capitalistas ganham muito, gastando muito pouco na produção, principalmente na mão de obra, através da exploração desta, uma vez que o ser humano se submete a ganhar pouco, mesmo tendo consciência de não está recebendo, o valor adequado, justo pelos seus serviços,pelo fato , pela necessidade de manter a si e a sua família.

 

   3. Processo e trabalho e serviço social

 

O processo de trabalho , é o processo de valorização do capital e a força de trabalho,que  passa a ser apenas uma mercadoria. A partir da definição do que vem a ser processo de trabalho e trabalho, e os conhecimentos acerca do profissional do serviço social, podemos identificar alguns elementos presentes na profissão a saber: os assistentes sociais , vendem a sua força de trabalho, tendo uma base profissional assalariada,  entretanto a classe, dispõe de certos meios de produção , e geram um determinado produto a partir da sua ação, que poucas vezes tem visibilidade ou relevância social.

Com relação ao processo de trabalho  do serviço social, FONSECA ( 2008, p.17 ) diz que:

 

o trabalho do(a) assistente social, é constitutivo de um processo de trabalho historicamente e socialmente determinado pelo jogo de forças que  compõe uma dada totalidade social. A inserção do trabalho do(a) assistente social  no processo de trabalho é caracterizado pela forma particular de serviço que se efetiva nos espaços institucionais.

 

A pressão institucional sobre o processo de trabalho do serviço social  é integrante de uma lógica estruturante do trabalho capitalista  em geral, sendo que esta supõe uma conversão de todas as formas de trabalho assalariado-mercadorias-fragmentado e parcelado em diferentes atividades laborativas, que dá conta de uma parcela dos objetivos institucionais daquele trabalho coletivo

Sendo ainda o assistente social , que se configura como liberal , este não dispõe de meios para desenvolvimento de seu trabalho, por isso ele tem relativa autonomia, visto que , é no espaço das instituições públicas e das políticas sociais , que  ele encontra e pode utilizar os instrumentos de trabalho. O assistente social possui mandato legal e científico ( legislação profissional, código de ética e associações profissionais, sendo esse mandato fruto de um movimento interno da categoria , mais resultante também do enfrentamento e negociações permanentes.

A autonomia do serviço social, segundo alguns autores, tal autonomia é uma concessão de natureza, tanto cientifica, quanto politica-social, que vista sob essa perspectiva, é sempre constitutiva historicamente como processo. O processo de trabalho implica em uma matéria -prima, ou objeto sobre o qual incide a ação do sujeito, ou seja , o próprio trabalho, que requer meios ou instrumento para que possa ser efetivado a ação do homem sobre a matéria-prima, que resulta sempre em um produto.

Qual seria a matéria-prima, o objeto de trabalho do assistente social ? O objeto do trabalho do assistente social, é a questão social e suas múltiplas facetas, por isso pesquisar e conhecer  a realidade é conhecer o próprio objeto de trabalho, junto ao qual se pretende induzir ou impulsionar, um processo de mudança.

Segundo IAMAMOTO,( 2007, p.43),

O conhecimento especializado e as habilidades são parte do acervo dos seus meios de trabalho. Entretanto apesar de regulamentado com profissional liberal, o assistente social, não se realiza como tal. Isso significa que o assistente social, não detém todos os meios necessários para a efetivação de seu trabalho: financeiros, técnicos e humanos necessários ao exercício profissional

Nessas condições, é sabido que parte dos meios ou recursos matérias financeiros e organizações são fornecidos pelas entidades empregadoras. Portanto, a condição de trabalhador  assalariado, não só se enquadra o assistente social na relação de compra e venda da força de trabalho como também molda a sua inserção socioinstitucional na sociedade brasileira.

Nos dias atuais, o assistente social  cada vez mais é chamado para atuar no âmbito dos conselhos de políticas sociais , e de direitos da criança e do adolescentes, de idoso e do deficientes . Os profissionais ainda estão também contribuindo para a criação de formas de outro consenso –distinto daquele dominante –ao reforçarem os interesses de segmentos majoritários   da coletividade. O assistente social é nesse sentido , um intelectual que contribui , junto com inúmeros outros , na criação de consensos na sociedade .

Enfim , as características assumidas pelo trabalho do assistente social  e de seu produto depende das características particulares dos processos de trabalho, que se inscreve.

4. Descrição de uma demanda do serviço social- Trabalho com famílias:geração de renda:

 

Existe no Brasil, uma grande demanda para o serviço social, que é o trabalho com as famílias, esta instituição que é a base da sociedade, e que necessita de mais atenção por parte do Estado, devido as diversas questões sociais , que chegam na instituição familiar, acabando por desestruturá-la. Uma questão social, presente que afetam boa parte das famílias brasileiras, é a falta de emprego, e consequentemente de renda , afetando assim a qualidade de vida das famílias brasileiras.

No município de Glória-Bahia, não é diferente. A maioria das famílias desse município estão desempregadas, os poucos que se encontram empregados, pertencem ao quadro de funcionários da Prefeitura do município, sendo Glória é uma região onde, predomina a agricultura.

No município de Gloria, encontra-se o Projeto Jusante, este  projeto é resultado do  progresso, sendo que tal projeto é composto por 199 famílias distribuídas nas agrovilas 01, 02, 03, 05, 06 , 07 , 08, 09.

As famílias que hoje formam o Projeto Jusante habitavam ,onde hoje é a usina Hidroelétricas Luiz Gonzaga, situada na divisa de Bahia com Pernambuco.

Como seria necessário desocupar  a localidade ,onde seria construída a usina ,a CHESF (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco) reassentou as famílias em uma localidade que recebeu o nome de Projeto Jusante onde a CHESF, iria implantara um  sistema de lotes irrigados , que até o omento não aconteceu.

Contudo mais de 20 anos depois ,esses lotes , não sairiam do papel , e muitas famílias estão desempregadas , tendo como renda uma verba paga mensalmente pela CHESF as famílias, aposentadorias e Bolsa Família.

Diante dessa situação, há um ano, o serviço social da CODEVASF (Companhia de desenvolvimento do vale do são Francisco),em parceria com o Centro Evangélico de Recuperação Social ,instituição ligada a Faculdade sete de Setembro –Fasete , em Paulo Afonso -Bahia com o apoio da CHESF , que cedeu o prédio ,e a igreja católica que cedeu o maquinário , foi implantado o projeto de corte e costura no projeto Jusante , de forme a beneficiar todas as agrovilas (famílias).

Com essa ação conjunta, esperava-se capacitar profissionalmente mulheres desempregadas, ou em situação vulnerabilidade social desenvolvimento projeto de terapia ocupacional e geração de renda.

O projeto conta com palestras de assistentes sociais e administradores , entre outros profissionais, sobre assuntos relevantes , para essa mulheres e seus familiares.

O Projeto Social de corte e costura, oferece cursos de corte e costura, para que esse grupo de mulheres, e cursos de informática, para elas e seus filhos, promovendo acesso a informática que é algo distante da realidade da população do projeto jusante.

Com o desenvolvimento desse projeto, os membros, já estão ganhando espaço no mercado de confecções no município de Glória. O grupo inicial, ainda que , com o apoio da CODEVASF, CHESF e o ESPAÇO SOCIAL, já começaram a produzir algumas peças de roupas ( encomendas para algumas instituições do município ) gerando rendas para essas mulheres.

O trabalho realizado com o grupo, é terapêutico e gerador de renda, que visa a  aumentar a autoestima do grupo, e melhorar as condições financeiras das famílias dessas mulheres, para que estas possam oferecer o melhor a seus filhos.

É um trabalho , que tem dado resultados, apesar do pouco tempo de existência, e que já dá sinais, de que vai continuar dando certo, com o apoio das instituições e o interesse do grupo. No  momento , está sendo discutido a possibilidade de montar uma associação ou cooperativa, para poder ser legalmente reconhecida pelo mercado.

Diante desse projeto desenvolvido, pelo serviço social da CODEVASF , CHESF e o ESPAÇO SOCIAL, é que vemos a grande importância do serviço social trabalhar com famílias, na promoção do desenvolvimento humano, intelectual , profissional e financeiro da população usuária dos seus serviços.

Esse projeto, vem a confirmar a uma das funções dos serviço social, que não é de dar tudo pronto e acabado para seus usuários, ou como dizem popularmente “ dar o prato pronto “, mais sim “ensinar a pescar”, a levar as pessoas a sua emancipação, andar com suas próprias pernas, enfim, cabe ao assistente social, criar condições, para a mudança de vida dos usuários dos seus serviços, buscar os direitos destes.

 

5. Considerações finais

 

Existe a grande necessidade de considerarmos que o serviço social, ainda que regulamentado como uma profissão liberal, não tem esta tradição na sociedade brasileira em sua alocação no mercado de trabalho. Mesmo assim o serviço social dispõe de algumas características típicas de uma profissão liberal: a existência de uma relativa autonomia, por parte do assistente social , quanto a forma de condução de seu atendimento junto aos indivíduos e/ou grupos sociais, com os quais trabalha , o que requer compromisso com valores e princípios éticos, norteadores da ação profissional, explicitados no código de Ética.

A necessidade de analisar, o exercício profissional  no âmbito de processos e relações de trabalho, impõe-se em função da condição de trabalhador “livre”, proprietário de sua força de trabalho, qualificada que envolve uma relação de compra e venda de mercadoria. E portanto condição de trabalhador assalariado, como forma social assumida pelo trabalho, que revela a insuficiência da interpretação corrente da prática profissional, tal como anteriormente referida, para explicar o exercício profissional no conjunto de seus elementos constitutivos.

Como assistentes sociais devemos,sempre estar atentos a dimensão política da prática profissional, devemos apropriarmos da dimensão criadora do trabalho e da condição de sujeito , que interfere na direção social do trabalho profissional, é uma luta travada cotidianamente.

Enfim, o conteúdo da ação profissional é revelador de perspectiva educativa, que o profissional do serviço social abraça. Toda intervenção está marcada por um viés educativo , na direção da democratização e conhecimento , e na busca da emancipação dos indivíduos , através de um trabalho com outros profissionais , promovendo mudanças de vida dos usuários dos seus serviços, como no Projeto de corte e costura, desenvolvido no Projeto Jusante, que promove conhecimento, desenvolvimento e geração de renda.

 

6. Referências bibliográficas

 

FERREIRA, Cláudia Maria [et.al]. Processo de trabalho e serviço social. Serviço social VII, São Paulo. Pearson Prentice Hall, 2010.

 

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade:trabalho e formação profissional. 4 ed.. São Paulo, Cortez, 2001.

 

SIKORSKI. Daniela. Trabalho profissional II. Serviço social / Daniela Sikorski; Sueli Godói. São paulo. Pearson Education do Brasil, 2009.

 

Revisado por Editor do Webartigos.com