21-10-1999

Por que eu estou assim hoje? 

Como jamais imaginei estar

 e o que sinto ninguém mais sente

Ninguém sabe nem entende

Ninguém nota em meu rosto

o desgaste do meu íntimo

A redução de minha força

A queda de meu ritmo

Eu omito o sentimento

Desfarso o sofrimento

Eu forjo, eu minto,

Minha face não revela

o que na verdade eu sinto

Eu maqueio as emoções

Eu programo as sensações

Evidencio as entrelinhas

Transpareço as relações

Faço letras sem sentido

Comparada obrigatória

Faço coisas sem sequência

Em escala aleatória

Eu falo mas ninguém ouve

Palavras se perdem no ar

Entao eu vou até o telhado

Subo e me ponho a entoar

Mas tanto no interior da casa

Quanto os vizinhos, todos

Todos se negam a escutar

Sou ainda menino

Sentado num banco de praça

Olhando a desgraça dos homens

Contando os estragos das traças

E já estou me acostumando com isso

Aos poucos achando normal

A transgressão de nossas primícias

A busca do Mal

Breve saio do transe

Recobro a sobriedade

Iro-me contra a imundicia

Folgo-me da verdade 

Sou apenas menino

Sentado no banco da praça

Tocando violão

Olhando o tempo que passa

O que houve? Toco lamento e nao chorais, toco alegria e nem regozijais 

O que há de errado!

Quem errou? Vocês ou eu?

Na verdade todos nós erramos

Reservamos nosso amor para si mesmo

E agora não se sabe onde o deixamos...

Somos todos vitimas de nossa própria avareza de modo que já não tenho certeza

Se estou lúcido o bastante para lutar contra isso tudo...

Certa vez me surpreendi chorando

Virei prum lado, pro outro, percebi que estavas me olhando

Eu não queria que visses

O que a tristeza e saudade fizeram comigo

Mas você é sempre bem-vindo

Preciso mesmo de um amigo

Sabe amigo, preciso dizer algo a um alguém, conheces tudo e a todos e meu alguém conheces bem

Sei que sempre estarás aqui

Mas por favor feche a porta ao sair

É que eu fico com a impressao

De que estão sempre me olhando

E eu não quero que ninguém

Ninguém me veja chorando

Gostaria que de alguma forma

Minhas palavras chegassem ao destino

Tocassem o alguém

Chegassem aos ouvidos

Vida!

Então poderei dizer:

Gostaria de algo mais simples

Não pretendia que fosse assim

Mas quem sabe desse jeito

O futuro me diga sim?!

FELLIPE KNOPP

Revisado por Editor do Webartigos.com