No âmbito da cultura religiosa cristã, esta festa móvel que se designa por Páscoa, tem longa tradição, principalmente nas aldeias portuguesas, nas quais e no dia previamente estabelecido, pelas entidades competentes, as populações convergem, com devoção, crença e alegria, para as cerimónias específicas, porque segundo os cânones do cristianismo, o evento significa a “Ressurreição de Cristo”.

Este tempo que os cristãos-católicos vivenciam, inicia-se com um período de “luto”, que se prolonga durante quarenta dias, imediatamente, a partir da terça-feira de Carnaval e culminado no “Domingo da Ressurreição”, dia totalmente consagrado à alegria de experienciar a libertação de Jesus Cristo do túmulo, para onde teria sido conduzido após a sua morte na Cruz, na sexta-feira da paixão, conforme rezam os documentos sagrados.

A Páscoa é, também, um tempo de confraternização, de reunião da família, não tanto no conceito e espírito que é vivido, por exemplo, no Natal, (nascimento de Jesus Cristo) mas numa perspetiva diferente, (morte e ressurreição de Jesus Cristo) não significando menos importância ou menor Fé. A Páscoa, nas aldeias portuguesas, no denominado Portugal profundo, é um acontecimento simultaneamente religioso e pagão, onde o sagrado e o profano, como que se alternam, complementando-se, sem conflitos nem incompatibilidades.

Na Páscoa, concretamente em muitas aldeias de Portugal, praticam-se aquelas duas dimensões. A dimensão religiosa, preenchida com todos os rituais inerentes às festividades: Domingo de Ramos, Semana Santa cujos pontos altos são: a Quinta-feira de Endoenças; a Sexta-feira da Paixão, o Sábado de Aleluia e o Domingo da Ressurreição, celebrando-se neste dia a Missa da Ressurreição, a que se segue o “Compasso Pascal”, que consiste na visita às residências, pela comitiva para o efeito constituída: Pároco, mordomos da Confraria do Senhor, Mordomo da Cruz e outros acólitos.

Esta visita pascal às casas de moradia, da comunidade local, é um acontecimento extraordinário, porque a comitiva, depois de entrar na habitação, o pároco procede ao ritual de benzer a sala, onde todo o séquito é recebido, para de seguida o abade dar a Cruz de Cristo Crucificado a beijar aos presentes que assim o desejem e depois confraternizar, comendo-se alguns doces e cantando-se a “Aleluia”. É, de facto, uma alegria imensa para as pessoas que, com profunda Fé, respeito e esperança, recebem Jesus supliciado.

Quanto à envolvente profana, também em muitas aldeias, a tradição manda que no sábado de Aleluia, pela meia-noite, se queime o Judas, sob a forma de fogo de artifício, É uma manifestação de repúdio, de castigo, contra aquele apóstolo que, traiçoeiramente, vendeu Jesus por trinta dinheiros. Judas era um dos doze Apóstolos que seguia Cristo por todo o lado.

É verdade que a Páscoa tem vindo a perder a sua importância, enquanto festa da alegria, do convívio, nas nossas aldeias, já que nas grandes cidades e vilas é muito mais difícil, ou mesmo impossível, visitar dezenas de milhares de habitações, circunscrevendo-se este evento às cerimónias religiosas nas respetivas Igrejas.

Em todo o caso, esta data religiosa e festiva, proporciona, seguramente, a oportunidade para se refletir acerca da nossa praxis neste mundo em que vivemos, nomeadamente, quando assumimos comportamentos atentatórios dos direitos e da dignidade dos nossos semelhantes.

Segundo as narrativas sagradas, Cristo limitava-se a praticar o Bem, a ajudar quem d’Ele precisava, a compreender, a tolerar e a ter compaixão pelos que sofriam, curando, milagrosamente, os mais carenciados de tratamento, sem lhes pedir nada em troca. Praticar o Bem, inclusive, àqueles que, provavelmente, em muitas mentalidades atuais, não mereciam.

Hoje em dia, muitas pessoas vivenciam a Páscoa como um dia normal do calendário, como um domingo qualquer, sem parar uns segundo para refletir no significado deste acontecimento bíblico-cristão. Não podemos, nem devemos criticar, negativamente, estes comportamentos, pelo contrário, manifestar respeito, consideração e um relacionamento amistoso, cordial e sincero, é o mínimo que teremos de fazer, afinal, quem é que está certo nesta vida?

Por outro lado, idêntica atitude se exige dos não-crentes, em relação aos cristãos-católicos que professam esta religião, na medida em que se considera imprescindível, haver reciprocidade entre os responsáveis de comportamentos praticamente opostos, além de que, qualquer situação conflituosa não conduziria à tranquilidade que a sociedade tanto precisa e merece.

Acresce, ainda, que entre as inúmeras religiões, com maior ou menor expressão e número de aderentes, certamente que a Páscoa será celebrada de maneiras diferentes, ou até passará despercebida. Incentivar pessoas, grupos e organizações para aderirem a uma religião ou até trocarem de convicções profundas de Fé e confissões, adquiridas à nascença, não será uma prática proibida, quando depois de um esclarecimento cabal, as pessoas decidem em consciência e com lucidez.

 Páscoa Portuguesa, por exemplo, pode ser um bom argumento para crentes e não-crentes, refletirem, em conjunto, sobre o que realmente importa na vida para a estabilidade do mundo, assim como o diálogo inter-religiões se configura cada vez mais premente, porque é impossível continuar a viver-se neste drama de conflitualidade bélica, que tem levado à fuga de centenas de milhares de pessoas dos seus países, à morte de outras centenas de milhares, não escapando crianças, mulheres, homens e idosos.

Pensemos a Páscoa como uma nova oportunidade para: nos redimirmos dos erros que temos praticado; das discriminações negativas que vamos fazendo; das prepotências, humilhações e descartes ignóbeis contra pessoas que, eventualmente, vamos praticando; assumamos, este evento, como mais uma possibilidade de ajudarmos quem mais necessita de nós: espiritual, ética, moral e materialmente.

Recusemos proclamar a Páscoa: como se fosse um tempo exclusivo dos cristãos, mas antes como um dia privilegiado para a concórdia, para o respeito pela dignidade humana; glorifiquemos a Páscoa como um dia único em cada ano para reconstruirmos a vida, laços familiares, relações de amizade interrompidas ou desfeitas; prestar solidariedade, lealdade e gratidão a quem sempre tem estado do nosso lado, sem quaisquer tipos de reservas mentais, materiais, éticas, morais ou outras.

A Páscoa, para a sociedade, no seu todo, deve ser: um tempo especial, de reconciliação, compreensão pelas dificuldades dos nossos irmãos humanos; de apoio incondicional aos mais desfavorecidos, frágeis e desprotegidos, porque, independentemente das religiões que cada pessoa, grupo, povo ou nação professam, está a dignidade da pessoa humana, que não pode ser ofendida em circunstância alguma.

Celebremos a Páscoa: de todos, com todos e para todos; em união fraterna e solidária; com espirito aberto, de acolhimento ao outro; com benevolência; com caridade e amor. É assim que deveremos festejar a Páscoa, não como se fosse a última Ceia de Cristo com os seus Apóstolos, mas a primeira “refeição” entre todos nós humanos.

 

Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo

Telefone: 00351 936 400 689

 

Imprensa Escrita Local:

 

Jornal: “Terra e Mar”

 

Blog Pessoal: http://diamantinobartolo.blogspot.com

Facebook: https://www.facebook.com/diamantino.bartolo.1 

https://www.facebook.com/ermezindabartolo

Portugal: http://www.caminha2000.com (Link’s Cidadania e Tribuna)

         http://www.minhodigital.com/news/escritor-portugues-caminha

Bélgica: http://www.luso.eu/tools/sobre-nos/165-equipa/911-diamantino bartolo.html

França: https://portugalnewspresse.wordpress.com/blog/

Brasil: http://www.webartigos.com/autores/bartoloprofunivmailpt/

http://sitedoescritor.ning.com/profiles/blog/list?user=2cglj7law6odr

     http://www.grupoliterarte.com.br/Associados.aspx?id=306

Revisado por Editor do Webartigos.com