Só para esclarecer;

Arrecadador ou operador de sistema rodoviário é aquela pessoa que fica nas cabines do pedágio, que você tanto odeia, agora vai...
A rotina de um arrecadador não é nada fácil. Tem dias que dá vontade de esganar um, principalmente aqueles mais chatos.
É cada pergunta. Esses dias estavam uma chuva daquelas. O tempo fechado, neblina, em fim, tudo de ruim para as estradas.
E o usuário teve a capacidade de perguntar, como estava o tempo na serra.
Eu respirei fundo, pensei e respondi que estava com chuva e a pista escorregadia.

Quando pensei que estava livre da mala, ele completou perguntando, quantos carros já haviam passado até aquele momento.
Eu dei aquela risadinha e falei que na minha cabine haviam passado diversos carros.
É passageiro sem dinheiro, acho que temos cara de banco, é incrível estas coisas, ou então aqueles usuários que têm raiva de moedas.
Quando você recebe o dinheiro e se prepara para dar o troco.
O indivíduo já reclama que não quer moedas. Às vezes penso que elas mordem

Só que tem situações que não tem jeito.
Como devolver o troco de R$0,60 (sessenta centavos), se não for com moedas.
Que eu saiba, ainda não inventaram cédulas para valores em centavos. Ou se inventaram, ainda não recebi e nem foi falado na televisão.
Tem mulher que envergonha a classe, mas tem homem que parece que nunca viu mulher. Ao passar pela cabine te olha como se você fosse um copo de água no deserto, pra não dizer outra coisa, sem contar aqueles que seguram a sua mão e ficam falando um monte de besteiras...
Isso quando não estão bêbados e tem gente que dirige de fogo! É fogo...
Além de arriscar a própria vida, arrisca a vida dos outros.

Os caminhoneiros são os nossos amigos, pelo menos alguns, porque têm outros que dá vontade de bater, ou então jogar uma bomba, porque assim explode ele com caminhão e tudo, brincadeirinha!!!
Tem chefe que acha que é Deus, até quebrar um carro na pista e ele ter que ajudar a empurrar, é muito engraçado.Tem arrecadador que cai na pista e as vezes o usuário sai correndo para bater nele. Tem outros que você fala bom dia, boa tarde e ele nem olha na sua cara. Até para entregar o dinheiro é uma dificuldade. M
Mas tudo bem, penso que vou estudar e ser alguém e ninguém vai nos humilhar, mas só pensa...
Dias desses, a impressora de recibo quebrou. Porque será que ela só quebra quando é aquelas pessoas mais brava e que estão com tanta pressa e quer recibo. Livrai-nos Senhor!!!

As vezes fico tentando acalmar a fera, até que um anjo, que chamamos de pista, surge com um pequeno pedaço de papel, que dependendo da situação pode valer nossa vida ou até mesmo nos livrar de uns tapas...acho que exagerei...
No começo do trabalho, todo arrecadador faz mil anotações, de tudo o que acontece no decorrer do turno, depois de alguns anos de casa, que se dane o caderninho, não se anota mais nada.
Em pedágios também tem histórias de fantasmas.

Segundo dizem: nos pedágios da baixada santista, tem mulher de branco, que fica sempre na última cabine, e para desespero do monitor do horário, ela sempre toca o interfone, como se precisasse de alguma coisa, isto é, assustar o pobre funcionário.
A música mais conhecida como "lerê, lerê", foi feita para nós. Enquanto todos se divertem, ralamos muito. Portanto da próxima vez que você passar pelo pedágio, não se esqueça disso, o dinheiro arrecadado não é para nós, estamos apenas fazendo o nosso serviço.
As estradas da vida sempre nos reservam surpresas do qual tentamos desvendar e assim como todo emprego revela seus altos e baixos.

Faço uma homenagem à todos que trabalham no pedágio, tenho lindas histórias que vou desenvolvendo aos poucos através destes artigos. Foi uma experiência maravilhosa, apesar de muitas vezes cansativa. Mas trago boas recordações e grandes amizades.
Hoje quando passo pelas praças de pedágio, é somente a passeio não esquecendo o famoso bom dia, boa tarde e boa viagem...
Sobre o Autor


Revisado por Editor do Webartigos.com