"O telégrafo: um grande marco da modernidade policial"

Um dos principais marcos do emprego da modernidade aos serviços policiais do nosso Estado foi sem dúvida a chegada do telégrafo elétrico, especificamente, no mês de janeiro do ano de 1867 quando surgiram as primeiras comunicações telegráficas na Província de Santa Catarina.  A primeira ligação entre Desterro e Laguna veio a ocorrer em 02 de janeiro de 1867. No dia 6 seguinte, passou a funcionar a ligação telegráfica entre Desterro e o Rio Grande do Sul.  No dia 31 de janeiro de 1867, também, passou a funcionar  a ligação telegráfica entre Desterro e Itajaí (oitenta e dois kilometros e meio). Depois disso, surgiu a ligação entre Itajaí e Joinville, com 120 Km de extensão, cujo trecho foi inaugurada em 12 de abril de 1870. Em 02 de dezembro de 1870 foi inaugurada  a ligação entre Joinville e Morretes (Paraná), conforme registra o historiador Walter Piazza (in Santa Catarina. Sua História, Florianópolis: Lunardelli, 1983).

Consta, ainda, que a 16 de janeiro de 1872, objetivando ampliar as comunicações na Província de Santa Catarina, teve inicio o lançamento de um cabo submarino entre a antiga "Desterro" (hoje Florianópolis) e o litoral do Rio Grande do Sul, por meio da "Brazilian Telegraph Limeted". A estação de despachos  foi inaugurada a 30 de maio de 1874.

Para relembrar esse importante acontecimento na nossa historiografia e a sua repercussão no meio policial civil, vale registrar telegrama repassado pelo diretor da Colônia Dona Francisca ao Presidente da Província, por ocasião em que os contratados na construção estrada de Ferro ligando Joinville a Rio Negro e que não recebiam seus salários atrasados há meses. Esse embate veio a ocorrer quando  se encontravam em São Bento e resolveram marchar em direção a Joinville a fim de exigir do governo do Estado seus salários atrasados, fazendo refém o Delegado de Polícia de São Bento, representante do governo provincial na região (conforme transcreve o historiador catarinense Carlos Ficker, in "História de Joinville, Crônica da Colônia Dona Francisca.  Joinville, Ipiranga, 1965"):

"Telegramma-Urgentíssimo: Chegarão hoje aqui Joinville  perto de 300 colonos de São Bento, todos armados, para reclamar d'esta Direcção dinheiro, ajuda, venda afiado dos gêneros mantimentos, reclamando suspensão desde já 3 meses de pagamento dos trabalhos Estrada Dona Francisca. Os distúrbios são originados por uma caudilha de desordeiros que forçaram gente pacífica andar com elles, levando consigo a força Sub-Delegado de São Bento. - Peço V. Excia. Um destacamento com 50 praças um oficial para proteger os moradores de São Bento e proceder severo inquérito policial - F. Bruestlein"  (IN Carlos Ficker, in História de Joinville, Crônica da Colônia Dona Francisca.  Joinville, Ipiranga, 1965, p. 304) .

Também, coletamos outros documentos no Arquivo Público de Santa Catarina, que comprovam a importância do telégrafo para as comunicações entre Delegados de Polícia e o Presidente da Província no trato de assuntos afetos à segurança pública:

Telegrama:

"DO: Delegado de Policia 1o supplente – de Joinville - em exercicio - João Bauer

AO: - Presidente da Província - João Rodriguez Chaves

ASSUNTO: Informa sobre o aparecimento de bugres na região de São Bento (localidade de São Lurenço).

"TELEGRAPHO DO ESTADO

Estação Desterro 11 de março de 1881

N. 42                                                  87 ps N. de Ordem 179

De Delegado de Policia 1o supplente em exercicio

Exmo Presidente da Provincia

Rua d                                                            n.

Procedente da Estação de Joinville

Apresentado ás                   7  horas            5       minutos  da noite

Recebido ás                  10  horas    10 minutos da   "

Expedido ás              10  horas    20 minutos da   "

_________________________________________________________

A Diretoria dos Telegraphos roga a todos as pessoas que sofrerem demora na transmissão ou recebimento de telegrammas, ou tenhão quaesquer outros motivos de queixa, que o participem á mesma afim de habilital-a a regularisar o serviço

_________________________________________________________

Nada posso informar com certeza sobre o conteúdo do telegramma de V.Exa de hoje, vou expedir incontinenti um proprio com officio á S. Bento pedindo informações ao Subdelegado; á penas me consta que os habitantes do territorio de S. Lourenço, e perto o Engenho de herva matte dos Srs.  Nobrega (?) e Camachi, tenhão sido ameaçados pelos indios, que para percorrer as mattas afim de afugentar os habitantes tenhão se juntado, porem nada tem com as autoridades, tanto d'este termo como com as de S. Bento.                                             

= João Bauer = "

* "João Bauer", Delegado de Polícia de Joinville (década de 1880) e de família tradicional, acabou se notabilizando na História do Estado de Santa Catarina também como empresário. Em reconhecimento a sua história pessoa e pelos serviços prestados é nome de duas principais ruas nas cidades de Itajaí e Brusque.

** Publicarei na sequência outros telegramas do final do Século XIX que tratam de correspondências dos Delegados de Polícia e os Chefes do Poder Executivo Estadual.

 

Revisado por Editor do Webartigos.com