Jürgen Habermas nasceu em 1929 em Gummersbach, cursou filosofia  e doutourou –se aos 25 anos, com a tese sobre Schelling é um pensador de ampla errudição,  foi aluno de Adorno e assistente pesquisa, é o representante mais destacado da segunda geração e representante da escola Frankfrut.

Segundo o autor o conceito mais importante filosófico esta é o da razão. Assim se preocupas em desenvolver um conceito na racionalidade e incorporá- lo num quadro categorial neolmarxista que não seja distorcido pelo excesso positivista, esse positivismo é o mesmo responsável pelo técnico científico que envolve a industria, as forças militares, administração economica e os governos politicos.

 A ciência e a técnica são de fato a principal força produtiva de hoje, é por isso que o primeiro alvo da teoria crítica deve ser o positivista. Embora Habermas concorde com Horkheimer que o papel da teoria crítica é examinar a ideologia, ele também acha que a teoria crítica deve animar a luta política capaz de revolucionar o existente e nos libertar da opressão do poder do sistema.

Tentando restaurar o paradigma da  universalidade para racionalidade critica e ao mesmo tempo limpar a tradição critica de seu elitismo, Habermas retornou aos conceitos chaves da estratégia original de  Marx forças produtivas, relações de produção, etc.

Portanto, a filosofia deve cooperar com a filosofia reconstrutiva, as quais estão preocupadas em descobrir e tornar explicitas as capacidades intuitivas humanas, que pressupõe as linguaguens, juizo e a ação.

O autor atribui a filosofia um papel duplo em que de um lado deve ser um guardador de lugares para as inovações teoricas , do outro lado deve ser interprete que guarda a racionaloização em sua função de orientar o mundo da vida cotidiana, somente excercendo amplos papeis é que a filosofia se converte no padrão critico que se pode examinar a irracionalidade do todo concreto atual, só asssim ela dá sentido  a teorica critica da sociedade.                                                            

 Habermas vê a sociedade moderna como processo de racionalização crescente e a distinção entre essas esferas é a coordenação entre os interesses,ou seja as ações são coordenadas no mundo da vida, é a ação comunicativa e não a ação racional.

 A ação visada pelo autor não é o trabalho e sim a interação com as pessoas, isso requer uma preocupação com a normas e valores vigente no grupo como resultado de um concenso social.

 Em suma a idéia principal de Habermas  está na racionalidade comunicativa na base da forma social  da vida humana ,que se reproduz pela forma  da linguagem, foi por esse motivo que o autor se dedicou tanto a filosofia da linguagem.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Habermas e a teoria da Modernidade, por Barbara FreitagCaderno CRH, vol. 8, n° 22 (1995). Texto completo em PDF.

Vasconcelos, V.V., (2005): Jürgen Habermas,em Técnica e Ciência como Ideologia - Conhecimento e Interesse e Consciência Moral e Agir Comunicativo - Sobre a Estrutura de perspectivas do Agir orientado para o Entendimento Mutuo., Universidade Federal de Minas Gerais. 7p.]

Apostila: Ética e filosofia da Politica, página 52

Revisado por Editor do Webartigos.com