1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por objetivo apresentar o desejo do consumidor, a demanda, oferta, a elasticidade, a necessidade de um economista no mercado de etanol como combustível.

O etanol combustível é o mercado o qual foi estudado e organizado em partes, foi elaborado a característica, o desejo, a demanda, a oferta e elasticidade do produto. Perfis de consumidores e de produtores, o mercado do produto e a necessidade de um economista nesse mercado.

O objetivo é expor a situação que estamos vivenciando no mercado de etanol combustível. O objetivo principal é mostrar a relação do etanol combustível nos diferentes campos como o desejo pelo seu uso, a demanda e a oferta no mercado, assim como a elasticidade, as características do produtor, e necessidade de um economista nesse mercado.

A abordagem do tema se justifica, pelo objetivo de expor a situação que o Brasil está frente a demanda, a oferta e suas variáveis em uma economia  no mercado de etanol como combustível.

O etanol combustível é conhecido como nosso combustível correto, pois não agride o meio o qual estamos inseridos, relativamente possui o preço inferior ao dos seus concorrentes, mas pra ser viável precisa ser certa porcentagem abaixo do preço dos concorrentes, apresentamos dificuldades de fixar uma demanda que atenda todos os consumidores. Assim como há políticas que estão envolvidas nesse mercado, temos projeções e expectativas de melhorias no futuro não muito longo, mas ainda é cedo para firmar alguma coisa. Ressalta também a necessidade de um economista envolvido nesse mercado acompanhar a conjuntura do mesmo e desenvolver estudos e projetos setoriais.

Foi usado como principal transporte de pesquisa a internet, pois a mesma apresenta informações atuais do mercado de etanol combustível, assim como informações atuais que foram de mera importância para a concretização do estudo do mercado do etanol como combustível.

2 CARACTERÍSTICAS DO ETANOL COMBUSTÍVEL COMERCIALIZADO NECESSIDADE OU DESEJO ATENDIDO PELO PRODUTO ETANOL COMBUSTIVEL TIPO DE ELASTICIDADE DO BEM ETANOL COMBUSTIVEL EM RELAÇÃO A SEU PREÇO-DEMANDA PREÇO-OFERTA, RENDA E PREÇO CRUZADO

“É um combustível ecologicamente correto, o etanol não afeta a camada de ozônio já que é obtido a partir da cana-de-açúcar, que ajuda a redução de gás carbônico da atmosfera através da fotossíntese nos canaviais”.  (ETANOL, 2006).

Principais características do etanol:

  1. não é derivado de petróleo;
  2. é obtido a partir da fermentação da cana-de-açúcar;
  3. é incolor;
  4. pode ser utilizado em qualquer veículo movido a etanol. (ETANOL, 2006).

“Usuário de carros flex de diversas regiões do País tem comportamentos e crenças similares em relação ao consumo de combustíveis. Onde o preço é um dos dois pontos identificados pelo estudo da Empresa de Pesquisa Energética”. (ESTUDO mostra que donos de carros flex priorizam o preço, mas nem sempre sabem qual o combustível mais vantajoso, 2013).

 Em São Paulo fazem preferência pelo etanol, devido consideração ao preço fixado que julgam ser aceitável. Se o valor ultrapassar esse limite, o combustível é facilmente trocado.

Mas essa maneira pode ser entendida pela teoria do preço de referencia interno, situação em que a pessoa acredita em que o preço lhe parece justo, por ter sido praticado no passado ou por experiência, quando o consumidor acha que o preço esta acima de um patamar que seja tolerável, não efetiva a compra. Outro exemplo é em porto alegre onde o clima influencia o comportamento do consumidor, que associa ainda o frio a uma dificuldade de dar partida ao usar o etanol, e cabe ressaltar que ocorre mesmo sabendo que os carros flex possuem reservatórios de gasolina e mesmo sistema avançados que eliminam essa dificuldade de partida, mesmo assim a opção é pelo automóvel a gasolina devido a este fator, o clima. (ESTUDO mostra que donos de carros flex priorizam preço, mas nem sempre sabem qual o combustível mais vantajoso, 2013).

De acordo com Pedroso (2013)

Para piorar, o preço do combustível vem em escalada já há um bom tempo. O resultado é que a maioria dos motoristas hoje abastece com gasolina, enquanto que, há quatro anos, a demanda era dividida ou até mesmo liderada pelo álcool, como em 2009, quando o preço médio nos postos de combustível da Região Metropolitana de São Paulo chegou a R$ 1,29. Em alguns casos, era possível encher o tanque desembolsando R$ 50. Hoje, dificilmente se gasta menos do que RS 100. O litro do renovável é comercializado, em média, entre R$ 1,89 e R$ 1,99. A gasolina, em contrapartida, varia de R$ 2,59 a R$ 2,69. Fazendo as contas, multiplicando os valores do combustível fóssil por 0,7 (para compensar a eficiência energética, superior à do álcool), conclui-se que, no caso do posto em que a gasolina sai por R$ 2,59, o renovável vale a pena se custar até R$ 1,81. Se o fóssil for vendido por R$ 2,69, o etanol só é vantajoso até R$ 1,88, e assim por diante. (PEDROSO, Soraia. Automóveis demais, etanol de menos, 2013.).

“O problema enfrentado é que a oferta já não da conta da procura. Basta elevação na demanda de álcool para que o preço suba, e em sequência o consumidor retorne para o uso de gasolina, que por sua vez e altamente poluente e boa parte importado”. (AUTOMÓVEIS demais, etanol de menos).

“O consumidor brasileiro comprou mais de 14 milhões de carros, que possuem motor flex, de olho no álcool mais barato nas bombas de combustível. Mas, enquanto a demanda disparou, a oferta patinou e o produto tornou-se escasso e caro no País onde foi criado”. (VAI e vem do etanol, 2011).

Conforme Hoffmann (2006).

Outra maneira de contrastar o comportamento de diversos tipos de despesas é considerar a sua elasticidade-renda, que indica em quanto tende a aumentar, percentualmente, a despesa, quando a renda familiar per capita aumenta em 1%.

Estimamos que a elasticidade-renda média, no Brasil, é 0,381 para alimentação no domicílio, 0,481 para todas as despesas com alimentação e 0,966 para despesas com transporte. Utilizando a mesma metodologia, a elasticidade-renda das despesas com gasolina e álcool, para veículo próprio, é 1, 047.

Devido ao crescimento econômico aumentará de modo mais rápido, a demanda dos produtos com maior elasticidade-renda. A produção nacional de etanol deverá crescer para atender a demanda interna e também para o país aproveitar vantagens no mercado mundial.

( HOFFMANN, Rodolfo. Segurança Alimentar e Produção de Etanol no Brasil, 2006).    

“Os preços do etanol hidratado- combustível substituto à gasolina no abastecimento dos carros flex. fuel – são determinados no mercado interno.” (IMPACTOS do controle de preço da gasolina sobre o mercado de bicombustível brasileiro, 2013).

Resultados sugerem que para 1% no preço da gasolina comum no Brasil, haveria uma resposta de – 0,83 no seu consumo; a elasticidade preço cruzada da demanda de gasolina para o hidratado foi de 0,64 e de 0,90 para a frota de veículos flex fuel.

“O preço do etanol na bomba apresenta elasticidade positiva ao preço da gasolina. Resultados obtidos para o consumo de gasolina e de etanol hidrato, sugerem que em um mercado desregulamentado, um aumento no preço da gasolina, implicaria em uma redução mais acentuada no consumo e importação desse bem, relativamente ao que tem sido observado na economia brasileira. Além disso, o consumo seria transferido na forma de um incremento mais que proporcional ao consumo do combustível renovável e menos poluente, como é o etanol hidratado.( IMPACTOS do controle de preço da gasolina sobre o mercado de bicombustível brasileiro, 2013).

Resultados levam a concluir, que a regulamentação no mercado de combustível brasileiro, embora não se aplique diretamente aos biocombustíveis, vem prejudicando o seu consumo de forma sistemática, por manter preços da gasolina constantes.

“O resultado merece atenção, considerando a importância assumida pela experiência brasileira como incentivo ao desenvolvimento de um mercado global de biocombustíveis”. (IMPACTOS do controle de preço da gasolina sobre o mercado de bicombustível brasileiro, 2013).

Revisado por Editor do Webartigos.com