1. INTRODUÇÃO

Diante da dinamicidade e competividade do mercado do mundo globalizado, as empresas têm necessidade de se adaptar as mudanças com maior rapidez exigindo por parte dos gestores respostas rápidas na condução dos rumos das empresas principalmente para atender as exigências dos consumidores que aumentam à medida que a globalização avança sendo necessário que as decisões tomadas atendam estas demandas. Para isto, estas decisões devem estar baseadas em informações precisas e confiáveis para que nenhuma destas ações comprometa a continuidade ou estabilidade da empresa.

A Contabilidade de Custos pode dar o suporte necessário aos tomadores de decisão, através das diversas ferramentas de análise do comportamento das operações das empresas, sendo possível combinar informações de interesse das mesmas e que estejam alinhadas com sua metodologia de trabalho, com seu planejamento e posicionamento no mercado, identificando assim, as distorções, processos falhos ou simplesmente àqueles que necessitam de melhorias e através da utilização dessas ferramentas é possível que as organizações atuem especificamente nesses pontos como forma de maximizar seus resultados.

Enfim, atualmente as empresas contam com uma nova Contabilidade de Custos adaptada as exigências de competividade, dinâmica e voltada para o ambiente interno e externo o que possibilitou aos gestores contarem com um novo e moderno processo de geração de informações, o qual se transformou em uma vantagem competitiva para que os detentores do poder de decisão possam orientar suas ações. 

2. INTRODUÇÃO

2.1 Contabilidade 

A Contabilidade é uma das ciências mais antigas e complexas, existente desde os primórdios das civilizações, quando o homem sentiu a necessidade de controlar os seus bens. Sua origem vem do conceito de prestação de contas de certos fatos ou condições de natureza comercial. Abrange, de um lado, a explicação de como as coisas se passam no mundo dos negócios, e de outro em computar os números dessas transações que são realizadas (RIBEIRO, 1998).

Segundo Marion, (2005, p. 23): A contabilidade é o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade, ela coleta todos os dados econômicos, mensurando-os monetariamente, registrando-os e sumarizando-os em forma de relatórios ou de comunicados, que contribuem sobremaneira para a tomada de decisões. A contabilidade é a linguagem dos negócios. Mede os resultados das empresas, avalia o desempenho dos negócios, dando diretrizes para tomadas de decisões.

Para Franco e Marra, (2001, p. 25): Contabilidade é a ciência – ou, segundo alguns, a técnica - destinada a estudar e controlar o patrimônio das entidades, do ponto de vista econômico e financeiro, observando seus aspectos quantitativo e qualitativo e as variações por ele sofridas, com o objetivo de fornecer informações sobre o estado patrimonial e suas variações em determinado período.

Dessa forma, pode-se dizer que a contabilidade pelo seu conjunto de princípios, normas e procedimentos próprios, é uma ciência com o objetivo de conhecer a situação patrimonial das pessoas e as suas mutações (MARION, 2005).  A Contabilidade permite o controle da movimentação do Patrimônio das empresas. O Patrimônio de uma empresa é movimentado em função dos acontecimentos diários, tais como compras, vendas, pagamentos, recebimentos etc.(MARION, 2005).

De acordo com Hendriksen e Van Breda citado por Quintana (2014, p. 1) não se sabe exatamente quem inventou a Contabilidade. No entanto, os sistemas de escrituração por partidas dobradas foram surgindo de forma gradativa nos séculos XIII e XIV em diversos pontos de comércio no norte da Itália. O registro mais antigo de um sistema completo de escrituração por partidas dobradas foi encontrado no ano 1340, nos arquivos municipais da cidade de Gênova, na Itália.

De acordo com Reis e Silva (2008, p. 1)

A história da Contabilidade no Brasil iniciou-se a partir da época Colonial, representada pela evolução da sociedade e a necessidade de controles contábeis para o desenvolvimento das primeiras Alfândegas que surgiram em 1530. Esses fatos demonstravam as preocupações iniciais com o ensino comercial da área contábil, pois, no ano de 1549 são criados os armazéns alfandegários e para controle destes, Portugal nomeou Gaspar Lamego como o primeiro Contador Geral das terras do Brasil, cuja expressão era utilizada para denominar os profissionais que atuavam na área pública. (REIS e SILVA 2008, p. 1).

 Para Iudícibus e Marion (2007, p. 35) “a contabilidade não é uma ciência exata. Ela é uma ciência social, pois é a ação humana que gera e modifica o fenômeno patrimonial.”.

Logo em seguida Faveroet tal (2011, p. 1) deixa bem claro que “a contabilidade desenvolveu-se buscando responder aos anseios da sociedade, tendo como objetivo gerar informações para o controle e tomada de decisões.”.

E segundo a Equipe de Professores da FEA/USP

A Contabilidade, na qualidade de ciência social aplicada, com metodologia especialmente concebida para captar, registrar, acumular, resumir e interpretar os fenômenos que afetam as situações patrimoniais, financeiras e econômicas de qualquer ente, seja este pessoa física, entidade de finalidades não lucrativas, empresa, seja mesmo pessoa de Direito Público, tais com Estado, Município, União, Autarquia etc., tem um campo de atuação muito amplo. (Equipe FEA/USP, 2007 p. 21).

De acordo com Iudícibuset tal (2005) “a Contabilidade, como sistema de escrituração e como hoje a conhecemos, surgiu através da interação e integração de grande número de eventos, fatores históricos, com a participação de várias civilizações e vários povos.”.

Vellani (2014, p. 1) “A Contabilidade surgiu para auxiliar na gestão do patrimônio. Por isso, por mais que as pessoas do século XXI relacionem Contabilidade com cálculos de tributos, no século XVI a CiênciaContábil surgiu para administrar a riqueza dos comerciantes.”.

Para Marion (2006, p. 7) Contabilidade são registros de toda movimentação possível de avaliar em dinheiro que, por meio dos relatórios contábeis, são analisados pelos usuários servindo de instrumento para tomada de decisão.

Segundo Muller (2014, p. 14) “a contabilidade recebe e processa dados da empresa e depois retorna demonstrações financeiras, também chamadas de relatórios. Podemos definir a contabilidade como um importante sistema de informações.”.

De acordo com Padozeve (2014, p. 3) “O objetivo da contabilidade é o controle de um Patrimônio. Portanto, podemos definir contabilidade como o sistema de informação que controla o patrimônio de uma entidade.”.

Hoss (2012, p. 7) sobre o momento atual da Contabilidade

Atualmente, com as novas demandas, ainda mais complexas, decorrentes da necessidade de informação mais detalhada e precisa, a Contabilidade necessita incorporar as trêsséries temporais: passado, presente e foco voltado principal- mente para  o futuro. Assim sendo, a Contabilidade passa uma demanda contingêncial. O contingencialismo contábil preocupa-se com questões estratégicas, competitivas e de resultados. O sistema de informação contábil é altamente dinâmico, exigindo profissionais analistas e conhecedores das opções empresariais e competitivas, onde a tecnologia é incorporada de forma definitiva. (HOSS, 2012, p. 7). 

2.2 Objetivo da Contabilidade

Segundo Ribeiro (1998):A contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e analises de natureza econômica, financeira e de produtividade em relação à entidade objeto de contabilização. 

2.3 Contabilidade de Custos

De acordo com Beuren (2009, p. 2) A contabilidade de custos surgiu com o advento do sistema produtivo, ou seja, com a Revolução Industrial, na Inglaterra, no final do século XVIII. Portanto algumas práticas contábeis são antigas, quando pequenas empresas industriais foram fundadas em função do progresso comercial da Itália, Inglaterra e Alemanha.

Segundo Martins (2003, p. 13)

Até a Revolução Industrial (século XVIII), quase só existia a Contabilidade Financeira (ou Geral), que, desenvolvida na Era Mercantilista, estava bem estruturada para servir as empresas comerciais. Para a apuração do resultado de cada período, bem como para o levantamento do balanço em seu final, bastava o levantamento dos estoques em termos físicos, já que sua medida em valores monetários era extremamente simples: o Contador verificava o montante pago por item estocado, e dessa maneira valorava as mercadorias. Fazendo o cálculo basicamente por diferença, computando o quanto possuía de estoques iniciais, adicionando as compras do período e comparando com o que ainda restava, apurava o valor de aquisição das mercadorias vendidas, na clássica disposição: Estoques Iniciais + Compras - Estoques Finais = Custo das Mercadorias Vendidas. (MARTINS, 2003, p. 13)

Segundo Ribeiro (2013, p. 13) “Historicamente, a Contabilidade de Custos surgiu com o advento das empresas industriais a partir do século XVIII. Veio para atender a uma nova necessidade: atribuir custos aos estoques de produtos fabricados pelas empresas industriais.”.

Martins (2010, p. 21) define:

A Contabilidade de Custos tem duas funções relevantes: o auxílio ao Controle e a ajuda às tomadas de decisões. No que diz respeito ao Controle, sua mais importante missão é fornecer dados para o estabelecimento de padrões, orçamentos e outras formas de previsão e, num estágio imediatamente seguinte acompanhar o efetivamente acontecido para comparação com os valores anteriormente definidos.

No que tange à Decisão, seu papel reveste-se de suma importância, pois consiste na alimentação de informações sobre valores relevantes que dizem respeito às conseqüências de curto e longo prazo sobre medidas de introdução ou corte de produtos, administração de preços de venda de compra ou produção etc. (MARTINS, 2010, p. 21)

Para Ferreira (2007, p. 18) o custo dos produtos fabricados pode ser considerado uma parcela do gasto que é aplicada na produção ou em qualquer outra função de custo. Em outras palavras, o custo de produção é o gasto incorrido na fabricação de bens e serviços destinados à venda.

Horngren (2004, p. 2) diz sobre a contabilidade de custos “fornece informações tanto para a contabilidade gerencial quanto para a financeira. Mede e relata informações e não-financeiras relacionadas ao custo de aquisição ou à utilização de recursos em uma organização.”.

De acordo com Ribeiro (2013, p. 23) Os custos em uma empresa de prestação de serviços, podem ser utilizados para representar o custo dos materiais adquiridos para aplicação na prestação de serviços, os custos dos serviços prestados entre outros.

Segundo Neves (2009, p. 8) sobre o começo da contabilidade de custo sendo “a principal função a avaliação de estoques em empresas industriais, que é um procedimento muito mais complexo do que nas comerciais.”.

Iudícibus e Mello (2013, p. 3) afirmam:

Os gerentes e analistas de custo sempre têm tido como uma de suas preocupações principais a de estimas, discernir e acompanhar a variação, em reais, de certos itens de custo considerados importantes, dentro da estrutura de custos da empresa (IUDÍCIBUS e MELLO, 2013, p. 3).

De acordo com Cruz (2012, p. 24) as abordagens de custos, entre suas principais características têm como principal objetivo compreender a relação da produção de um bem ou serviço com os recursos consumidos nesse processo. 

2.3.1 Objetivos da Contabilidade de Custos

  • Determinar o lucro utilizando os dados dos registros convencionais daContabilidade;
  • Controlar as operações e estoques, estabelecer padrões e orçamentos, comparações entre o custo real e o custo orçado e ainda fazer previsões;
  • Tomar de decisões formação de preços, determinação da quantidade a ser produzida, escolha de qual produto deve produzir, avaliar as decisões sobre o corte de produtos ou decisão de comprar ou fabricar.

Para Leone (2002), a Contabilidade de Custos tem como objetivo auxiliar o administrador no processo de tomada de decisões e de planejamento:

"ramo da função financeira que acumula, organiza, analisa e interpreta os custos dos produtos, dos estoques, dos serviços, dos componentes de organização, dos planos operacionais e das atividades de distribuição, para determinar o lucro, para controlar as operações e para auxiliar o administrador no processo de tomada de decisões e de planejamento".

[...]

Revisado por Editor do Webartigos.com